"Além dos sinais externos que denunciam - cabelos brancos, cabelo nenhum, rugas, barriga, essas indignidades - as gerações se reconhecem pelos jogadores de futebol que se têm na memória"

Luis Fernando Veríssimo

13 de mai de 2010

Ataque 0 x 2 Defesa

Cruzeiro x São Paulo fizeram a primeira partida das quartas-de-final da Libertadores no Mineirão. Era o duelo do melhor ataque contra a melhor defesa da competição.
Ótimo jogo para quem gosta de bom futebol e um teste cardíaco para os torcedores dos dois times.
Sem Miranda, que não pode jogar por problemas pessoais, o Técnico Ricardo Gomes optou por mandar a campo Richarlyson como terceiro zagueiro passando assim o time para 3-5-2 podendo liberar mais os alas Cicinho e Júnior César.
O jogo começou bem morno, as equipes estudavam o adversário com muita cautela e não se atiravam ao ataque.
Errando muitos passes o São Paulo não conseguia prender a bola, até que levou o primeiro susto, em cobrança de escanteio Henrique subiu mais que a zaga são paulina e obrigou Rogério a fazer grande defesa, mas o auxiliar já havia parado o jogo marcando posição irregular de Kleber que atrapalhou a visão do goleiro são paulino.
Aos poucos o São Paulo foi controlando a partida, com o sistema defensivo funcionado de forma perfeita o tricolor foi neutralizando as principais armas da equipe mineira. Rodrigo Souto e Hernanes marcavam muito bem os volantes mineiros e as investidas de Marlos e Dagoberto impediam que os laterais do Cruzeiro subissem ao ataque.
Isolados no ataque a dupla mineira, Thiago Ribeiro e Kleber, era facilmente marcada pelo trio de zaga são paulino, Gilberto em noite apagada não conseguia se aproximar para criar as jogadas, já os são paulinos investiam tudo nos contra ataques e em ligações diretas buscando o estreante Fernandão. Até que aos 24 min Marlos tabelou com Fernandão na entrada da área e deixou Dagoberto livre para marcar o primeiro gol são paulino. O gol mexeu com o time mineiro que continuava esbarrando na marcação perfeita da equipe paulista que conseguiu levar a vantagem até o intervalo.
As duas equipes voltaram com a mesma formação para a segunda etapa porém o Cruzeiro apertou o ritmo já que perdia o jogo em casa.
Aos 10 min Adilson Batista tirou o lateral Diego Renan e colocou o atacante Guerrón, deslocando Gilberto para a lateral esquerda, com três atacantes a defesa  são paulina foi obrigada a se abrir para conter as investidas do ataque mineiro pelas laterais do campo.
Em meio a muita pressão em busca do gol de empate o Cruzeiro deixava espaços para os contra ataques tricolor e em um desses contra ataques Fernandão, em estréia de gala, com um lindo passe de calcanhar deixou Hernanes na cara do gol para fazer o segundo gol do São Paulo.
Com dois gols de desvantagem o Cruzeiro partiu para a pressão na base do abafa, ai brilhou mais uma vez a estrela de Rogério Ceni, com defesas importantes o arqueiro tricolor ia garantindo o resultado, até que aos 30 min um erro do juiz interferio diretamente no resultado, Thiago Ribeiro recebeu em posição legal na entrada da área e mandou um foguete direto para as redes do gol são paulino e o juiz erradamente anulou o gol alegando impedimento.
Faltando pouco mais de 10 min para o fim da partida Adilson colocou o meia Roger em campo e o jogador protagonizou o lance mais incrível do jogo, em um bate rebate dentro da área são paulina a bola sobrou para o meia que chutou firme de pé direito e a bola caprichosamente bateu na trave atravessou todo o gol e bateu na outra trave antes que a zaga são paulina afastasse.

O São Paulo consegue um grande resultado e vai para o Morumbi na próxima quarta-feira podendo perder por um gol de diferença para se classificar. Mas como vimos nesse jogo, não tem
nada resolvido, a única certeza é que teremos mais um jogo eletrizante na próxima semana.

Um comentário:

Paulo disse...

Pow Lu vc poe o Caio Ribeiro,Casagrande e companhia no chinelo...Parabens garotao...abracos...