"Além dos sinais externos que denunciam - cabelos brancos, cabelo nenhum, rugas, barriga, essas indignidades - as gerações se reconhecem pelos jogadores de futebol que se têm na memória"

Luis Fernando Veríssimo

9 de mar de 2011

O Legado do Lobo

O 4-4-2 é, ou já foi, o esquema tático mais utilizado no mundo. As tradicionais duas linhas de 4 são mais um legado brasileiro ao futebol mundial, já que foram criadas por um cidadão chamado Mário Jorge Lobo Zagallo em seus tempos de ponta.
Por não ter a mesma habilidade que seus concorrentes na seleção brasileira, Zagallo passou a voltar para compor um quarto homem de meio de campo quando o Brasil não tinha a posse de bola, e essa diferença em relação aos demais lhe garantiu a titularidade na seleção canarinho.

Considerado o esquema perfeito para um time de futebol, o 4-4-2 foi ganhando diversos "desenhos" e variações. Desdobramentos como 4-2-2-2 (4-4-2 com os homens de meio-campo em "quadrado") 4-1-2-1-2 (4-4-2 com os homens de meio-campo em losango) 4-4-1-1 (4-4-2 com o chamado "engache" na frente) 4-3-1-2 (4-4-2 com três volantes e um meia livre para criar), enfim, ao meu ver todos descendentes do revolucionário 4-4-2 criado pelo senhor do número 13.

O que mais me agrada no 4-4-2, além dos possíveis desdobramentos, são suas variações de movimentação. Apenas para citar um exemplo, o abominável sistema com três zagueiros(3-5-2) pode ser feito de maneira muito mais interessante no 4-4-2. O Brasil de 1970 jogava com algo parecido. Na época, o então treinador Zagallo, liberava Carlos Alberto Torres (LD) para apoiar o ataque e segurava Everaldo (LE) que fazia um terceiro zagueiro ao lado de Brito e Piazza, transformando constantemente durante o jogo o 4-4-2 em um 3-4-3 com o avanço de Carlos Alberto Torres para o meio-campo que empurrava Pelé ao ataque.

4-4-2 com Pelé na armação

Com o avanço de Carlos Alberto Torres a equipe passa para um 3-4-3 com Pelé fazendo um terceiro atacante e Everaldo um terceiro zagueiro

Curiosamente, mesmo sendo capaz de tantas variações táticas com base no 4-4-2, sendo feitas muitas vezes durante a partida, o futebol brasileiro de uma forma geral nunca foi capaz de colocar em prática o tradicional esquema com duas linhas de 4 homens que frequentemente observamos no futebol europeu. Isso porque falta aos jogadores brasileiros a tal da "disciplina tática".

Para jogar com as duas linhas de 4 homens, é necessário que o time todo se movimente em bloco, de forma compacta, ou seja, quando a linha de meio-campo subir ao ataque, a linha de zaga tem que adiantar seu posicionamento, o que difícilmente as defesas brasileiras fazem, essa aliás tem sido uma observação constante de zagueiros brasileiros que voltam do futebol europeu.
Se a linha de zaga não adiantar seu posicionamento, surgirá um enorme buraco entre o meio-campo e a zaga. Um salão de festas ao adversário.

Espaço deixado pela linha defensiva durante o avanço do meio-campo ao ataque


Compactação da equipe com a aproximação da linha defensiva


Se a equipe consegue jogar de maneira compacta, ocupando uma faixa de aproximadamente 30 metros do campo, consequentemente diminuirá muito os espaços para que o adversário crie suas jogadas ou até mesmo consiga sair jogando de trás com qualidade.

Outro fator que contribuiu para que as famosas duas linhas de quatro não funcionassem perfeitamente nos gramados brasileiros foram os volantes, já que começamos a contar com uma boa safra apenas recentemente.
Jogando com as duas linhas, os volantes ficam com a faixa central do campo. É fundamental que sejam "volantes-meias", ou seja, jogadores que marcam e armam a equipe. É importante também que eles não tenham receio de subir ao ataque para proteger a defesa, caso contrário, com os meias abertos pelos lados do campo, o time perde a intermediária ofensiva dificultando muito a criação de jogadas.

Espaço deixado na intermediária sem o avanço dos volantes, "quebrando" a linha de meio campo.

Atualmente é comum vermos times com apenas um homem de referência na frente e três ou quatro meio-campistas chegando de trás, abdicando assim do 4-4-2 para o 4-2-3-1 ou times com três atacantes, jogando no 4-3-3, como o Arsenal ou fantástico Barcelona(Mas esse é um caso a parte, que vale até um post futuro). Porém, ao meu ver, o 4-4-2 continua sendo o esquema perfeito para um time de futebol, se bem treinado e executado, é capaz de "anular" qualquer esquema adversário com suas variações de posicionamento e movimentação.

7 comentários:

Cleber Soares disse...

Luciano,
o 4-4-2 foi tão difundido que até em peladas é usado como esquema tático, e isso nem é preciso pensar muito para se montar o time... No profissional suas variações, hoje, são as mais diversas, mas é inegável que o 4-4-2 é a matéria prima para esse monte de esquemas, alguns loucos de mais para meu gosto...

BLOG DO CLEBER SOARES
www.clebersoares.blogspot.com

FuteB.R.O.N.C.A.! disse...

Sou terrível para análises táticas, embora goste de ler e aprecie. Neste caso, vc fez um belo detalhamento, explicando passo a passo.

Saudações!!!

Claudio Henrique disse...

E ai Luciano, blz cara?

O esquema 4-3-2-1 é o esquema da moda. Muito conservador e ao mesmo tempo muito agressivo. Já o 4-3-3 é muito ousado e o 4-4-2 é muito comum. Meu esquema favorito é aquele que citei no início do comentário.

abraços!

http://wwwfanaticosporfutebol.blogspot.com/

Giovani Mattiollo disse...

Luciano, muito boa tua análise, mas como o Luiz, odeio essas coisas de escalações e táticas.... hehe

Abraço

http://gremista-sangueazul.blogspot.com

diego disse...

aceita parceria?
visita lá meu blog
http://mengaohexa.blogspot.com/

Gol de Mão disse...

Muito boa a análise. É interessante ver essas mudanças que acontecem no modo de se jogar. O que eu mais acho interessante é a forma como o Barça joga.
99% dos clubes quando estão a procura de contratações vai sempre atrás de um volante brigador, um meia camisa 10 de qualidade e um centroavante alto pra explorar as jogadas aéreas. E o Barcelona consegue ser um timaço sem nada disso!

Volantes = Xavi e Iniesta, volantes de classe, diferentes do estilo gattuso ou felipe melo.

Meia = O time não depende de um meia de armação. Os laterais e os volantes são os jogadores que mais armam jogadas na equipe e o camisa 10, Messi, é praticamente um ataque, visto o alto número de gols dele.

Centroavante= Villa não faz o estilo atacante de área, mas junto com Messi eles fazem talvez o ataque mais rápido do mundo!!!

Equipe Blog Gol de Mão
www.bloggoldemao.blogspot.com

William disse...

Fala Luciano,
Muito antes havia também o W-M. Estranho não é?
Acho que o esquema mais legal era o 4-3-3. Evidente que hoje em dia não há condições de jogar dessa forma. O futebol mudou e muito.
O 4-4-2 é mais tradicional ao longo da história.
Abraço e bom final de semana.