"Além dos sinais externos que denunciam - cabelos brancos, cabelo nenhum, rugas, barriga, essas indignidades - as gerações se reconhecem pelos jogadores de futebol que se têm na memória"

Luis Fernando Veríssimo

23 de mar de 2011

O reino do amadorismo

No dinâmico mundo do futebol cravar uma certeza é realmente uma temeridade. Em Janeiro, cravei que o mico do ano no futebol brasileiro era do Corinthians, com a eliminação frente ao poderoso Tolima, mas, como sempre temos um "mas" no futebol, o Fluminense tem feito uma força incrível para roubar o prêmio corintiano.

O clube fala uma coisa, o patrocinador outra, a acessoria de imprensa anuncia a contratação de um treinador, em um parquinho infantil, e no meio do anúncio alguém avisa que "melou" porque o (com todo respeito ao homem e profissional) grande Gilson Kleina preferiu continuar no comando de um time do interior do estado de São Paulo ao invés de assumir o, caótico, atual campeão brasileiro do série A. Com total razão, visto que a intenção do Fluminense era de que ele "bancasse o franelinha" e guardasse a vaga para Abel Braga durante três meses.

Como diria meu pai: essa proposta foi o "fim da picada".

Mas o ponto em questão é: estamos diante de uma aula de amadorismo impensável até mesmo para os padrões brasileiros. Como um clube de futebol profissional não consegue sequer organizar um anúncio oficial por meio da sua acessoria de imprensa ? Como um clube de futebol profissional divulga planos e acordos para a imprensa antes de "bater o martelo" e acertar com as outras partes envolvidas ?

Tudo bem, antes que o troféu "mico do ano" se transforme em uma nova versão da "taça das bolinhas" e comece a causar brigas entre Corinthians e Fluminense, criemos novas categorias; a versão "mico do ano - dentro de campo" vai para o Parque São Jorge e a versão "mico do ano - bastidores" vai para as Laranjeiras.

E no reino do amadorismo, sobrou até para as criancinhas, que viram seu parquinho se transformar em uma "sala de imprensa".

3 comentários:

Admsports disse...

Olá,
Não precisa nem de comentário, texto auto-explicativo e comenta por si só, o que o fluminense está fazendo, deve-se ao amadorismo de sua nova gestão, que é inexperiente e nova no mercado futebolístico, porém isso não é desculpa pois pequenos erros se aceita, mas tamanhos equívocos e ignorância independe do mercado que está, é incompetência do mesmo jeito!
abrass

@admsport
www.admsports.blogspot.com

Cleber Soares disse...

Luciano,
concordamos em número, genero e grau. a diretoria tricolor só pode estar querendo sacanear o seu torcedor, essa do Gilson Kleina foi de doer, é muito amadorismo para um time só...como vc mesmo disse até mesmo para os padrões brasileiros.

BLOG DO CLEBER SOARES
www.clebersoares.blogspot.com

FuteB.R.O.N.C.A.! disse...

Duas coisas: não há como negar a falta de jeito, para dizer o mínimo, da cúpula tricolor.

E outra: temos aí, nesta história de parquinho, uma pitada de crueldade da imprensa, tentando caracterizar a diretoria Tricolor como um lugar de crianças, já que não conduzem o caso com seriedade e responsabilidade.

Faz algum sentido.

Saudações!!!