"Além dos sinais externos que denunciam - cabelos brancos, cabelo nenhum, rugas, barriga, essas indignidades - as gerações se reconhecem pelos jogadores de futebol que se têm na memória"

Luis Fernando Veríssimo

4 de nov de 2011

"Feitos para serem quebrados"

Assumir o status de "mito" no mundo esportivo já foi tarefa mais árdua, atualmente, qualquer sequência de bons resultados e alguns poucos títulos fazem o atleta trilhar o caminho revelação-ídolo-mito em um curtíssimo espaço de tempo.


Procurando a definição exata do termo você encontrará algo como: narrativa que visa explicar as origens do mundo e do homem por meio de deuses e semi-deuses. Porém, no uso cotidiano, a expressão é muitas vezes usada de forma pejorativa para se referir à crenças comuns - sem embasamento científico - e no futebol, o que não faltam são crenças e superstições que alimentam o imaginário formando a cultura do esporte nos quatro cantos do país.


Há algum tempo atrás, escrevi sobre a banalização das expressões no futebol - em especial a "zebra" - por isso não vou cair na contradição aqui de banalizar o "mito" - até porque não o considero, ainda, como tal. Mito, ao meu ver, são atletas como Ayrton Senna, por tudo que fez, mas acima disso, pelo o que representava à todos; Michael Jordan, um atleta que marcou época e revolucionou a maneira de se ver e praticar o esporte - porém, apesar de não se encaixar no status, Neymar já se revelou um demolidor de mitos, no sentido pejorativo do termo.


Um a um os mitos que habitam o futebol brasileiro de maneira tão enraizada estão caindo por terra diante da surpreendente postura do jovem postulante a futuro "mito".

O mito de que "ninguém mais joga por prazer" - Neymar joga bola até nas férias, sozinho já jogou mais partidas do que muitos clubes na temporada e mesmo diante de uma maratona exaustante, se recusa a ficar de fora de uma partida sequer. Se isso não é prazer pelo o que faz é o quê ? masoquismo ?

O mito de que "ninguém quer ficar no Brasil" - Propostas milionárias não faltaram, onde está Neymar ?

O mito de que "não se joga por amor a camisa"  - Você imagina Neymar em outro time brasileiro ? Aos que argumentarão que ganhando o que ele ganha é fácil amar o clube, o garoto ganha o que ganha por mérito próprio, reconhecimento de um trabalho bem feito - estou expondo o fato, não defendendo que o valor é justo - muitos que ganham tanto ou mais dinheiro por aí viram as costas aos clubes sem pensar duas vezes na primeira proposta vantajosa.

O mito de "modelo jogador" - Neymar vende. Demonstra a mesma habilidade e carisma dos campos na publicidade, algo que poucos esportistas, de forma geral, são capazes de fazer.


O mito de que "para ser o melhor do mundo, precisa-se jogar na Europa" - O garoto ainda não venceu, e difícilmente irá, mas está entre os vinte e três selecionados pela FIFA para o prêmio de Bola de Ouro e convenhamos, entre os vinte e três está seguramente entre os dez melhores. As vésperas de uma Copa do Mundo no Brasil, alguém duvida de que com um eventual título brasileiro, arrebentando na Copa, mesmo que ainda esteja no Santos, o garoto leve o título de melhor do mundo ?

Capa de um dos mais famosos simuladores de futebol com a camisa de um time brasileiro ao lado de ninguém menos que Cristiano Ronaldo - Neymar fazendo história em todas as "modalidades" de futebol.

 O garoto que é um fenômeno, técnico e fisiológico - mas isso é assunto para outro post - está reposicionando a expressão "mito" no vocabulário futebolístico, ela agora faz companhia a expressão "tabu" na seção "feitos para serem quebrados".

Um comentário:

Cleber Soares disse...

Luciano,
belo texto meu amigo, é exatamente o que você falou.
Neymar, mesmo que ainda longe de ser aquele ídolo, mito, já quebrou barreiras e provou que sim, se poder ser feliz em terras tupiniquim, alias, nossos maiores ídolos do futebol, com talvez exeção de Ronaldo, fizeram seu nome jogando por aqui, Pelé, Zico, Rivelino, o próprio Romário(mesmo tendo bela passagem pela europa)...
Sou contra até a morte que o futebol europeu é melhor que o resto do mundo, pode ser mais organizado, mas de resto, a maioria dos campeonatos se resume em disputas de par ou ímpar, e olha lá....salvo a liga dos campeões.

gostaria também de expressar aqui meu sentimento de preocupação quanto a essa indicação de Neymar. Queira Deus que não seja um ato polítiqueiro para desviar os problemas que a CBF vem tendo, queira Deus.....

BLOG DO CLEBER SOARES
www.cleberoares.blogspot.com