"Além dos sinais externos que denunciam - cabelos brancos, cabelo nenhum, rugas, barriga, essas indignidades - as gerações se reconhecem pelos jogadores de futebol que se têm na memória"

Luis Fernando Veríssimo

6 de dez de 2011

Mais loucos do que nunca !

Todo texto sobre títulos e conquistas tende a ter o mesmo formato; erros e vilões desaparecem - nada mais natural - glórias são acentudas e heróis, cada um a sua maneira, aparecem em pencas. Um gol decisivo, uma defesa importante. Alguns segundos bastam para que ao final de sete meses seus nomes estejam escritos na história de um clube e mais do que isso, na história de vida de milhões de pessoas; que o digam Ramires e Adriano.

O campeonato mais emocionante da era dos pontos corridos - clichê de todos os anos, mas que dessa vez procede - chegou ao fim, com muitas histórias para contar. Epopeias dignas de oscar, roteiros que só o futebol é capaz de escrever.

Campeões se fazem com belas histórias e com o Corinthians de 2011 não é diferente. As provocações entre torcidas são válidas, fazem parte da cultura do futebol, mas reduzir a conquista corinthiana a erros esporádicos de arbitragem é pura pobreza de espírito. O Corinthians é campeão com todos os méritos, assim como também o seria o Vasco em caso de título.


Pensando em como definir o Corinthians cheguei a conclusão de que é um time "velhaco" - o que casa muito bem com sua essência de "maloqueiro sofredor" . A impressão que eu tinha ao assistir as partidas do Corinthians, contra qualquer adversário, era a de ver uma disputa entre um "senhor" já bem vivido, que conhece todas as malandragens da vida e que portanto sabe a hora certa de agir ou não, contra um jovem impetuoso, afobado, que sempre esbarrava na "sabedoria anciã" alvinegra.

Um time frio - na melhor definição da palavra - calculista, que sabe a hora certa da dar o bote e acima de tudo eficiente (chega a me lembrar a Internazionale de Mourinho). Um grande time sim, a sua maneira. Oscilou sim, porém não mais que seus adversários.

Em bom "Titês", a "administrabilidade" desse título e tudo mais pelo o que passa o clube - reestruturação - é responsabilidade direta de Andrés Sanchez, que embora polêmico, é o melhor presidente da história do clube; bancou Tite no comando quando a "dona" do time exigia sua saída e colhe agora os frutos de suas convicções.

Tite e Andrés Sanchez

Dentro de campo, a "tecnicabilidade" de Tite foi fundamental para a conquista.O treinador demonstrou possuir todas as qualidades essenciais ao técnico de futebol: frieza, conhecimento tático, leitura de jogo e um profundo conhecimento de futebol e dos seus próprios jogadores. Tite sempre soube o que esperar e extrair de cada um deles, além de uma consciência de momento importantíssima, tanto em substituições cirúrgicas durante as partidas, como em escalações e formações táticas em períodos de oscilação da equipe.

Por si só o dia já seria inesquecível, porém, o mesmo dia que terminou com uma verdadeira festa do futebol brasileiro com o desfecho de um campeonato espetacular, começou com uma perda imensurável à todos.

Ficamos órfãos do nosso "Doutor" da bola. Perdemos um gênio dentro das quatro linhas e um homem que, apesar dos seus hábitos que nos privaram de usufruir por mais tempo de sua companhia, era de uma integridade e de uma sabedoria tremenda fora delas.


Quis o destino que a nação corinthiana perdesse em um dia de conquista um dos líderes de sua mais importante época. Sócrates, um dos líderes da Democracia Corinthiana. Líder eterno de uma nação que só pode ser compreendida por seus integrantes. Como dizem meus amigos corinthianos: "Só quem é".

Título, Libertadores e prêmios individuais. O Campeonato Brasileiro de 2011 está muito bem entregue.


Parabéns Sport Club Corinthians Paulista, Penta Campeão Brasileiro de Futebol !

3 comentários:

Cleber Soares disse...

Luciano,
o timão mereceu a conquista, assim como também se fosse o Vasco. O timão foi o time mais estável ao longo do campeonato, e em pontos corridos isso é primordial.

fica aqui minha singela homenagem ao Dr. Sócrates.

..."A festa foi bonita, paradoxalmente à tristeza da perda de um dos maiores ídolos do nosso futebol. E quis o destino, no mesmo dia de muita alegria para o time que o consagrou e de seu coração, estivesse em plena alegria, seus milhões de torcedores chorando um misto de tristeza e alegria ao dar adeus ao seu ídolo, que foi embora, mas foi gritando é campeão"........

BLOG DO CLEBER SOARES
www.clebersoares.blogspot.com

Gino disse...

Aee mano bela matéria

FuteB.R.O.N.C.A.! disse...

De tudo que foi escrito, o mais importante e o que fica é o seguinte: a decisão foi em campo, como deve ser e como a torcida gosta.

Tivesse dado Vasco e seria tão espetacular quanto foi, com o mesmo enredo, alterando-se apenas os personagens.

Saudações!!!