"Além dos sinais externos que denunciam - cabelos brancos, cabelo nenhum, rugas, barriga, essas indignidades - as gerações se reconhecem pelos jogadores de futebol que se têm na memória"

Luis Fernando Veríssimo

21 de jan de 2012

Profissionalismo dispensável

Em todo recesso do calendário, onde as principais notícias são as movimentações de mercado, paro para refletir como alguns valores estão se perdendo - se já não estão extintos - em meio ao dinheiro e aos interesses que passaram a vigorar no mundo do futebol.

Parece que a falta de identidade é o preço a ser pago pelo chamado "profissionalismo" no esporte. Profissão e vantagens regem contratos e quebras do mesmo sem a menor cerimônia se assim for vantajoso para todos os lados. Esquece-se e relembra-se sem o menor pudor a trajetória desse ou daquele jogador com determinada camisa. Ídolos passam a ser repudiados e voltam a cair nas graças da torcida em um curtíssimo espaço de tempo.

O profissionalismo necessário no futebol é aquele que aperfeiçoa determinadas áreas que precisam de melhorias. Aquele que acaba com o amadorismo e qualifica profissionais com os perfis corretos para melhorar a gestão esportiva das instituições.

Porém, dispensa-se o "profissionalismo" que visa apenas interesses próprios e financeiros, ainda que todos - leia-se jogador, clubes e empresários -  sejam beneficiados em uma negociação. Vestir a camisa de um clube significa muito mais do que o cumprimento de um contrato de trabalho, significa representar o sentimento de milhões, para muitos o sentido de uma vida.

Identidade. Paridade absoluta entre torcida e time, fundamental quando se trata de algo tão importante na vida de alguém. E se a falta dessa identidade é o preço a se pagar pelo "profissionalismo", precisamos rever as prioridades.

4 comentários:

Cleber Soares disse...

Luciano, na minha modesta opinião eu gosto desse layout, simples, claro e pouco poluido, rsrsrssr.

Quanto ao texto, perfeito, alias como é uma marca de seus textos. Só ressaltaria que essa inversão de valores, infelizmente, se estende a todos os segmentos da siciedade e profissões.

Futebol romântico? Só no You Tube meu camarada....

BLOG DO CLEBER SOARES
www.clebersoares.blogspot.com

Í.ta** disse...

tenho me afastado do futebol. paciência, digo a mim mesmo. até escrevi sobre isso.

abraços, ótimo texto!

FuteB.R.O.N.C.A.! disse...

Excelente análise, Mayeda!
Foi-se o tempo da identidade. Quer coisa mais profisional q identidade ao representar milhões?
Hoje isso não vale nada, são só cifrões, cifrões e cifrões.
Absolutamente desnecessário e dispensável, como dito no título.
Pode ter qualquer nome, menos profissionalismo!

Saudações!!!

Fernando disse...

Olá
O que falou é verdade, é engraçado voce ver um jogador sendo apresentado falando que vai jogar no time pelos proximos 5 anos de contrato e não fica nem um direito.
As coisas mudaram mesmo

Grande abraço
Valeww
Fernando dos Santos