"Além dos sinais externos que denunciam - cabelos brancos, cabelo nenhum, rugas, barriga, essas indignidades - as gerações se reconhecem pelos jogadores de futebol que se têm na memória"

Luis Fernando Veríssimo

17 de mar de 2014

Garoto de ouro

No post passado, falei sobre o bom trabalho de Sampaoli na seleção do Chile, como destaque da equipe, Arturo Vidal, segundo volante da Juventus de Turim que marca e arma o time com muita qualidade. Hoje, o De Olho no Lance traz mais um destaque da Copa do Mundo que atua no futebol italiano, companheiro de Vidal na Juventus, e um dos motivos pelos quais a Vecchia Signora caminha a passos largos para mais um título da Calcio.

Paul Labile Pogba, meio campista francês de apenas 20 anos de idade, mas que tem personalidade e futebol de veterano. Pogba atua como primeiro volante, com 186 cm e um porte físico que impõe respeito, o camisa 6 é um típico cabeça de área, dá o primeiro combate, organiza a saída de bola e tem boa chegada a frente e presença de área em bolas aéreas.

Revelado pelo Le Havre, da França, logo chamou a atenção de um gigante da Europa, o Manchester United. Contratado pelo clube inglês em 2009, teve poucas chances no time principal de Alex Ferguson. Acabou transferido para os bianconeri a custo zero, pior para os Red Devils, que agora veem seu ex-jogador comandar com autoridade o meio campo da equipe de Turim.

O bom futebol já rendeu a Pogba prêmios individuais na temporada 2013. Golden Boy 2013, dado ao melhor jogador jovem da Europa, e o prémio de melhor jogador do Mundial Sub-20, vencido pela sua seleção, a França

Nome certo para estar no Brasil em Junho, Pogba esteve na equipe comandada por Deschamps que garantiu a vaga da seleção francesa para a Copa, na respecagem contra a Ucrânia.

Como não poderia deixar de ser, o bom futebol já desperta a cobiça dos principais clubes do mundo. Diariamente os noticiários esportivos europeus especulam sobre possíveis ofertas pelo jogador, que estaria na mira de Real Madrid, Barcelona, Paris Saint Germain e Chelsea, todos dispostos a descarregar um caminhão de dinheiro para contar com o futebol daquele que está sendo chamado pelos franceses como o "novo Patrick Vieira".

6 de mar de 2014

Franco atiradores

O título de "seleção kamikaze" da Copa de 2014 já tem dono, aliás, figurinha repetida nesse posto: Chile.

Nossos, mais ou menos, vizinhos chegam ao mundial novamente como aquele adversário que, se não causa medo, preocupa os adversários.

O futebol chileno sempre foi adepto da cultura ofensiva, se recusa a se apequenar diante dos grandes. Vai ao ataque sem ver "quem" e "onde". Ousadia que sempre cobrou seu preço, inclusive em Copas do Mundo.

O time de 2014 não tem lá grandes diferenças nas características básicas, mostra muita movimentação, velocidade pelos lados do campo e qualidade técnica do meio para frente. O ponto que faz desse Chile mais perigoso que os de Copas passadas, é o equilíbrio entre os três setores da equipe.

Jorge Sampaoli ousou sem se descuidar da retaguarda do time. Montou um esquema com três zagueiros que favorece a velocidade dos alas e dos atacantes - melhor qualidade da equipe - abriu mão de um armador cerebral - azar do Valdívia - e compôs o meio campo com três volantes com boa qualidade na saída de bola. Resultado: time vem desafiando as maiores potências do mundo da bola de igual para igual. Foi assim com Brasil, Espanha e Inglaterra durante os amistosos de preparação para Copa, foi assim hoje, contra aquela que 10 em cada 10 boleiros apontam como favorita ao mundial: Alemanha.

Formações que iniciaram a partida entre Alemanha e Chile hoje

Dentro de campo, uma surra chilena pra cima de Schweinsteiger e cia, no placar, uma daquelas ironias que só o futebol é capaz de produzir: Alemanha 1x0 Chile.

O Chile vem ao Brasil como foi aos últimos mundiais: com um futebol técnico, ofensivo, vistoso, mas que peca na desatenção crônica da defesa e na irritante mania de perder um caminhão de gols por jogo. Se conseguir corrigir esse problemas, Sampaoli e seus comandados podem almejar mais do que "dar dores de cabeça" aos adversários.

Com 11 gols e 5 assistências na atual temporada da Calcio, Vidal já recebe até o apelido de "Messi dos meio campistas"

Olho nele - Arturo Vidal é o destaque dessa seleção. É mais um dos casos europeus de volantes-meias. Com muita qualidade nos passes e arremates de longa distância, o meio campo da Juventus, cobiçado por Real Madrid e outros gigantes do Europa, joga com a 8 e com a 10. Jogador completo. Olho nele!