"Além dos sinais externos que denunciam - cabelos brancos, cabelo nenhum, rugas, barriga, essas indignidades - as gerações se reconhecem pelos jogadores de futebol que se têm na memória"

Luis Fernando Veríssimo

11 de jun de 2015

Herois e vilões

Se você é daqueles que acredita em destino, as finais da NBA são o factual do momento. Quando Kyrie Irving saiu machucado na prorrogação do primeiro jogo das finais o pensamento de todos os torcedores do Cleveland Cavaliers certamente foi o mesmo: "complicou o que já não era nada fácil".

A qualidade de Irving é indiscutível. Titular em qualquer franquia da NBA, é quase insubstituível na equipe. Quase.

Matthew Dellavedova é o cara do momento em Ohio. Premiado - com o que parecia um fardo - foi o escolhido para substituir o camisa 2 dos Cavs. E apesar da perda ofensiva que a equipe sofre com a troca, Dellavedova fez o que nenhum outro marcador da NBA conseguira até então: parar Stephen Curry.

Matthew Dellavedova marcando Stephen Curry na segunda partida das finais
A camisa 8 dos Cavs está esgotada nas lojas oficias da franquia depois dessa partida

Na segunda partida das finais o camisa 30 dos Warriors errou 13 dos 15 arremessos de três que tentou. Números absolutamente impensáveis se tratando de Stephen Curry. O mesmo Curry que durante a temporada regular teve mais de 40% de aproveitamento nos chutes de longa distância. E os únicos dois arremessos que caíram foram fora da marcação do australiano, ou seja, enquanto Dellavedova foi o marcador de Curry, ele não pontou.

Era tudo que LeBron James precisava para lembrar a todos porque está na quinta final consecutiva da liga e porque é o centro de uma das maiores discussões da atual NBA, quando comparado a nomes como Michael Jordan e Magic Johnson. Com um triple-double na segunda partida e 40 pontos na terceira, ajudou o Cavaliers a não só passar na frente nas finais como ainda quebrar o mando de quadra dos Warriors. Já são 123 pontos nos três primeiros jogos das finais, recorde da liga.

Se quiserem conquistar o anel pela primeira vez desde 1975, os Warriors terão que reverter o mando de quadra novamente, ou seja, vencer pelo menos uma partida na Quicken Loans Arena, diante do novo xodó da torcida de Ohio e de um LeBron James disposto a provar que os Cavs não precisam de muito mais para conquistar a liga.

As perguntas e desconfianças que antes das finais cercavam o desfalcado Cleveland Cavaliers, agora pairam sobre o inseguro Golden State Warriors. A história do esporte é recheada de superações de herois que parecem mortos e coadjuvantes que assumem o papel de protagonistas quando menos se espera. Mas para cada heroi que a história cria, há um vilão. Com esta final não será diferente, resta saber quem vai assumir qual papel.

Melhores momentos finais - Jogo 2


Melhores momentos finais - Jogo 3

Nenhum comentário: